Caso Karol: “Peço que Deus me dê força para continuar”, diz mãe de menina após condenação de caminhoneiro

Reprodução/Redes Sociais

No dia seguinte a condenação do caminhoneiro Josué Cabral dos Santos, que matou Karolina Oliveira Gomes, em 2019, a mãe da adolescente, Erenilda Oliveira, falou sobre a decisão do júri popular. O julgamento aconteceu nessa quarta-feira (1º), no Fórum de Mamanguape, no estado da Paraíba.

“Foi feita a justiça. Sabemos que ele não vai pagar os 30 anos. No máximo, vai pagar 12 anos, mas a lei da Terra foi cumprida”, declarou ao falar sobre a condenação de 30 anos imposta pela justiça.

Emocionada, dona Erenilda lamentou as declarações do assassino da filha no tribunal. “Foram levadas muitas desonras a Karol no tribunal, muitas mentiras. Ele inventou uma história absurda”, disse. A mãe se refere à história contada por Josué de que Karol seria sua amante. “Isso é muito sofrido. Ela não era nada do que ele falou no tribunal”, completou.

A mãe da adolescente chorou e completou: “Peço que Deus me dê força para continuar. Não vai ser fácil. Nunca foi. Tenho certeza do dever cumprido. Minha filha pode descansar que justiça foi feita”.