Cerca de 60 municípios do RN enfrentam problemas no abastecimento de oxigênio, diz Cosems

UPA de São José de Mipibu suspendeu atendimento por falta de oxigênio na noite de domingo (14). — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi

Cerca de 60 municípios do Rio Grande do Norte enfrentam problemas com a falta de oxigênio para tratamento de pacientes internados com a Covid-19, segundo o Conselho Estadual de Secretarias Municipais de Saúde (Cosems). O consumo do gás aumentou cerca de 15% desde o início da pandemia. Durante o fim de semana, pelo menos três unidades de saúde na capital e região metropolitana tiveram problemas com a falta do insumo.

Neste domingo (14), a Unidade de Pronto Atendimento em São José de Mipibu, na Região Metropolitana, chegou a suspender os atendimentos. Um paciente registrou o momento em que chegou a unidade e um aviso na porta do Pronto Socorro indicava o problema: “Informamos que estamos com o atendimento temporariamente suspenso por dificuldade de abastecimento de oxigênio”.

“Paciente passando mal aqui. Outra pessoa chegando aqui com problema de pressão. E está aqui, tudo escuro, sem atendimento. Eu também acordei agora passando mal, sem atendimento aqui. Por falta de oxigênio”, relatou o paciente.

A Secretaria de Saúde de São José de Mipibu informou em nota que o atendimento chegou a ser suspenso na UPA devido à alta demanda na Grande Natal e a lotação nos leitos Covid pelo estado, mas o atendimento já foi normalizado na unidade.

Na tarde desta segunda-feira (15), O Rio Grande do Norte ultrapassou pela primeira vez a marca de 1 mil pessoas internadas por Covid-19 no estado. Atualmente, há 1.016 pacientes confirmados com a doença nas unidades de saúde por todo território potiguar.

Outro hospital que teve problema com abastecimento de oxigênio, no último domingo (14), foi o Percílio Alves, em Ceará-Mirim. A guarda municipal realizou o transporte de cilindros de oxigênio vindos de Parnamirim.

Na capital, a UPA Sul em Cidade Satélite ficou sem oxigênio móvel durante o fim de semana e nesta segunda-feira (15), estava com todos os 20 pontos do gás essencial para tratamentos da Covid-19 ocupados com pacientes.

A Secretaria de Saúde de Natal informou que as quatro UPAs do município estão atendendo com mais de 100% da capacidade para casos Covid. Atualmente, 43 pacientes precisam de leitos de UTI.

O Conselho Estadual de Secretarias Municipais de Saúde (Cosems), afirma que pelo menos 60 municípios do estado enfrentam problemas com o abastecimento de oxigênio. Em alguns, a situação é mais crítica. De acordo com o Cosems, sem a ajuda da Sesap, pode faltar oxigênio até o próximo domingo (21).

“Alguns municípios já pediram socorro, mas graças à Deus, para a população não teve ainda esse alerta vermelho, porque todo mundo, enquanto gestor, está se ajudando. Inclusive, o estado, o secretário, também sinalizou a preocupação de também ajudar, porque a rede estadual de hospitais ainda está num momento confortável”, informou Maia Eliza, presidente do Cosems.

A presidente do Cosems disse ainda que a situação de desabastecimento é nacional. As empresas que fornecem oxigênio e outros gases hospitalares enfrentam dificuldades para cumprir o contrato com os órgãos públicos e já limitam o abastecimento.

Em nota a Sesap informou que o fornecimento de oxigênio vem acontecendo em condições estáveis. Segundo informação da empresa White Martins, que é fornecedora dos gases medicinais para os hospitais e outras unidades da rede estadual de saúde, a situação geográfica do RN é mais favorável a logística do abastecimento, garantindo estabilidade ao fornecimento, mesmo com esse acréscimo de consumo. A Sesap informou também que vem atuando em parceira com os municípios que requisitaram apoio para o abastecimento de oxigênio.

As informações são do G1RN.