Conheça as barragens sob risco de desabamento no RN e no Nordeste

Foto: Reprodução/OP9

A região Nordeste possui 24 barragens sob risco de desabamento. O alerta foi feito em novembro passado pela Agência Nacional de Águas (ANA) por meio do Relatório de Segurança de Barragens 2017 (RSB).

O custo estimado para recuperar essas barragens era de pelo menos R$ 52.240.000,00. Mas o valor é muito maior porque 10 barragens não tiveram essa estimativa para recuperação feita.

O estado com maior número de barragens sob risco é a Bahia, com 10 reservatórios. São eles: Afligidos (em São Gonçalo dos Campos), Apertado (Mucugê), Araci (na cidade de mesmo nome), Cipó (Mirante), Luiz Vieira (Rio de Contas), RS1 e RS2 (ambos em Camaçari), Tabua II (Ibiassucê), Zabumbão (Paramirim) e Pinhões (Juazeiro/Curaçá).

Desses, seis não contêm estimativa para a recuperação. Os outros quatro – Araci, Luiz Vieira, Tábua II e Pinhões – precisariam de R$ 6 milhões para serem recuperados. Os problemas encontrados são fissuras, rachaduras, trincas, erosões, buracos e corrosões.

No RN, relatório aponta “situação precária de manutenção”

No Rio Grande do Norte, segundo a ANA, cinco barragens apresentavam algum comprometimento estrutural importante, entre elas, o açude Gargalheiras, em Acari, cujo nome oficial é Marechal Eurico Gaspar Dutra.

Além deste reservatório também foram incluídas no RSB da ANA a barragem Passagem das Traíras (Jardim do Seridó), Calabouço (Passa e Fica), e mais dois reservatórios privados, Barbosa de Baixo e Riacho do Meio.

Os problemas listados são trincas, fissuras e erosão. Para a barragem de Calabouço é apontada “situação precária de manutenção”. Apenas Gargalheiras e Passagem das Traíras tinham valores de recuperação estimado: R$ 4.010.000.

Leia reportagem completa AQUI direto do OP9