Ministérios Públicos se manifestam contra reabertura econômica no RN

População do Rio Grande do Norte | Foto: Arquivo/Ney Douglas

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), Federal (MPF) e do Trabalho (MPT) divulgaram, na noite dessa sexta-feira (3), nota à sociedade potiguar em que se posicionam contrário à decisão do Governo do Estado e da Prefeitura de Natal de autorizarem a reabertura inicial e gradual da economia. De acordo com a nota, a decisão contraria dados científicos de transmissibilidade do vírus do Comitê Científico do RN, do Comitê Científico do Consórcio Nordeste e da Fiocruz.

Ainda segundo o documento, “uma decisão sensata de reabertura exige a certeza quanto à estabilidade dos números relativos aos critérios científicos indicativos, e, ainda, a previsão de um plano concreto e efetivo de testagem da população e medidas de vigilância epidemiológica, os quais não foram contemplados nem no decreto estadual nem no municipal”, diz a nota.

Dados epidemiológicos

A retomada gradual da economia foi iniciada na última quarta-feira (1°) no Rio Grande do Norte. Natal, capital potiguar, já havia começado a reabertura um dia antes, dia 30. De acordo com o boletim epidemiológico divulgado na sexta-feira (4), o RN contabiliza um total de 33.421 casos confirmados da Covid-19, 524 a mais que no dia anterior, quando foram registrados 32.897. O número de óbitos em decorrência da doença chegou a 1.171, com um aumento de 68 mortes registradas de um dia para o outro. 

Ainda segundo o boletim, existem 617 pacientes internados na rede pública e privada em tratamento para Covid-19. Esse número representa uma taxa de ocupação de 94% nos leitos críticos do Sistema Único de Saúde (SUS) e 82% nos hospitais privados. A atualização mais recente da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) ainda mostra que o RN chegou a um índice de isolamento social de 40,2%, ainda menor que o recomendado pelas autoridades de sanitárias, que é entre 60 e 70%.