Ocupação dos leitos covid-19 volta a subir no RN

Depois de se manter em pouco mais de 40%, a taxa de ocupação dos leitos covid-19 no Rio Grande do Norte voltou a subir, registrando, nesta terça-feira (8), o percentual de 48% com o internamento de 231 pacientes entre leitos críticos e clínicos, anunciou a Subcoordenadora em vigilância epidemiológica Alessandra Lucchesi em coletiva.  

Apesar de não ter dados que sejam mais expressivos para esse aumento de ocupação, a situação preocupa.  “É um fator que chama a nossa atenção, assim como nós temos também a permanência da confirmação de casos para a covid-19”, ressaltou Alessandra.

Verificou-se um aumento significativo na Região Metropolitana (50%) e em Caicó (68%). “Esse fator é um dos que nos chama atenção apesar de ainda não ser verificado um aumento do número de casos que seja significativo nessas regiões”, disse Alessandra referindo-se as essas duas regiões citadas. 

Em Mossoró, 45% dos leitos estão ocupados, Já em Pau dos Ferros essa taxa cai para 30%. No entanto, em João Câmara e São José do Mipibu, não há pacientes internados e os leitos estão 100% disponíveis.

O Rio Grande do Norte registrou mais uma morte por covid-19, nas últimas 24 horas, e o total atingiu as 2.295 delas, outras 237 seguem no aguardo dos exames laboratoriais. O número de casos confirmados passou aos 63.879, embora existam 26.811 casos suspeitos. 

De acordo com o anunciado na coletiva, a Secretaria de Estado de saúde Pública (Sesap)  ampliou a capacidade de testagem, no entanto, os municípios precisam aplicar os testes para que se possa ter um maior domínio dos dados epidemiológicos no estado.

“Nós só conseguiremos fazer a detecção dos casos se os pacientes sintomáticos estiverem sendo submetidos aos testes”, enfatizou Alessandra que completou afirmando: “Para que nós possamos atingir a nossa população alvo, fazendo com que através desse diagnóstico, nós possamos ter um melhor conhecimento do nosso cenário epidemiológico e consequentemente estimular as medidas de vigilância que são essenciais nesse momento”, finalizou, a subcoordenadora.