Pedreiro diz que agiu sozinho e matou Iasmin por ela negar relação íntima

O padreiro Marcondes Gomes da Silva, de 45 anos mudou o depoimento e assumiu sozinho o assassinato da estudante Iasmin Lorena de Araújo afirmando que matou a menina por ela negar uma relação íntima com ele. Na primeira versão do suspeito a mãe da menina foi citada como partícipe do crime, mas a hipótese foi descartada pela polícia.

Durante o interrogatório Marcondes revelou que diante da negativa da garota ele usou um cabo de aço para asfixiar Iasmin e depois enterrou o corpo. A delegada Dulcinéia Costa informou em uma coletiva de imprensa, na manhã desta sexta-feira (27), que Marcondes já possui um histórico de abuso de criança e adolescente. “Essas novas informações chegaram ao nosso conhecimento e iremos investigar”, disse.

Marcondes foi ouvido durante seis horas e em seguida foi conduzido preso para o presídio Estadual de Alcaçuz. As informações são do Portal BO.